Mania de Pobre

Publicado: 04/06/2012 em muito feliz

A nova forma de comunicar ao mundo que estou carente é me acabar numa panela de brigadeiro. E ontem fiz uma generosa receita,  me acomodei na cama com a panela ainda quente ao lado e um copo de coca cola sem gás. Dividi minha alegria daquele momento em uma rede social e bastou para que minha amiga me chamasse de Pobre. Pela coca cola sem gás…

Sou capaz de abrir uma coca cola só para que perca o gás. Minha amiga não toma refrigerante que fora aberto no dia anterior. São gostos, e tem gosto pra tudo! Todo mundo tem gostos extravagantes e manias esquisitas. E todos nós já ouvimos falar sobre “mania de pobre”. Eu acredito que tem grande diferença entre mania de pobre e manias de gente miserável. Vou explicar.

Mania de pobre é só uma forma divertida de apontar coisas que fazemos involuntariamente, pela criatividade que o momento do “se vira” ou por um simples gosto, independente da condição financeira. A maioria das pessoas lambe a tampa do iogurte desde criança, isso lembra infância. Pizza amanhecida fica divina se aquecida na frigideira, eu adoro. Delícia é esquentar o pãozinho de ontem no forno e ver a manteiga derretida. E quem nunca precisou colocar água no frasco de condicionador na hora que foi enxaguar os cabelos?

Miserável segundo o Dicionário Online de Português, significa: “adj. Que carece de recursos, que vive em extrema pobreza. Digno de piedade, lastimável, miserando. Ínfimo, demasiadamente baixo: salário miserável. Malvado, perverso.
s.m. e s.f. Pessoa infeliz, desgraçada; indigente. Pessoa infame. Pessoa avarenta, sovina, somítica.”

Pessoa avarenta e sovina justifica porque mania de gente miserável é uma coisa triste. E todo mundo conhece ou já viu alguém que sai do restaurante carregando pra casa aqueles sachês individuais de sal e palitos de dente e ainda conta que nunca compra esses itens em casa. Conheci uma mulher que certa vez me acompanhava em um magazine. Eu precisava comprar uma dessas blusinhas segunda pele que custava R$ 17,00. A miserável teve a capacidade de dizer que era loucura pagar esse preço, pois se eu cortasse o fundo de uma meia-calça velha e usasse as pernas nos braços faria o mesmo efeito. Fiquei indignada mas não era digna de resposta. Soube de um caso que a mulher reformava suas calcinhas para que as filhas usassem. Dizia que a economia em muitas atitudes levaria a caçula aos Estados Unidos. Preferi não questionar o recebimento dos aluguéis dos três apartamentos, mas eu juro que se fosse filha dela, eu sumia no mundo.

Não há graça, nem alegria, tampouco vantagem em ser miserável. Deixar de comprar sal pra carregar sachê de restaurante ou não comprar uma roupa por apego é levar uma vida escrava da matéria. E não nos leva a nada e não torna ninguém melhor. As tais manias de pobre são muito mais divertidas do que manias de miserável. O lendário Caco Antibes foi mestre em falar de manias de pobre arrancando risos, pois tudo o que era dito sempre foi praticado na sociedade: juntar resto de sabonete; tomar café em copo de requeijão, tomar sol na laje, ajustar antena no telhado… 

Acabou o guardanapo na casa da minha amiga Renata. Sem pensar duas vezes, enrolou seu lanche integral em um pedaço de saco de pão e foi feliz trabalhar com ele na bolsa. Mania de pobre usar o saco de pão? Não…

E comer brigadeiro direto na panela, é mania de pobre???

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s